DECODIFICANDO A IDEOLOGIA SOCIALISTA [CÓDIGO 6]

CÓDIGO 6: O ESTADO

“Aquele nosso inimigo era leão quando se enfurecia abertamente; agora é dragão quando ocultamente arma ciladas. (…) Naquele tempo queria forçar os cristãos a negarem a Cristo; agora ensina os cristãos a negarem a Cristo; então coagia, agora ensina. Então introduzia violências; agora, insídias. Aparecia então furioso, agora mostra-se insinuante e dificilmente aparenta erro.” 
Santo Agostinho, Comentário aos Salmos, 39,1 (São Paulo: Paulus, 1997), p. 635-636

Na edição nº 178, de janeiro de 2015, a revista National Geographic trouxe, em sua matéria de capa uma curiosa reportagem sobre os novos estudos sobre o desenvolvimento do cérebro humano a partir da primeira infância. O texto procura mostrar que o afeto e atenção dos pais nos primeiros anos do bebê é crucial no desenvolvimento sadio e pleno da pessoa em sua fase adulta. Mas, providencialmente, a matéria vincula a seguinte informação em sua página 42, importante para a discussão de nosso tema, onde se lê:

“Após conquistar o poder na Romênia, em meados da década de 1960, o líder comunista Nicolae Ceausescu adotou medidas drásticas para transformar o país e acelerar a transição de uma sociedade agrícola para outra industrial. Visando ao crescimento demográfico, o regime restringiu os métodos anticoncepcionais e a prática do aborto, chegando a taxar casais com mais de 25 anos que permaneciam sem filhos. Milhares de famílias se mudaram dos vilarejos rurais para as cidades a fim de trabalhar nas fábricas estatais. Tais políticas levaram muitos pais a abandonar os filhos recém-nascidos, que acabavam em uma instituição oficial conhecida como leagan – termo romeno para ‘berço’.
“Apenas após a derrubada de Ceausescu, em 1989, o resto do mundo pôde avaliar as terríveis condições em que essas crianças haviam sido criadas. Quando bebês, eram largados sozinhos no berço durante horas. Só tinham contato humano durante o dia e nas vezes que o cuidador – cada qual responsável por 15 a 20 crianças – aparecia para lhes dar comida ou banho. Mesmo depois de 1989, esse sistema de cuidados institucionais demorou a ser remediado.”

A reportagem continua a partir daí descrevendo uma série de estudos feitos sobre o impacto nocivo que a negligência perpetrada pelo Estado causou no desenvolvimento infantil. E para que nos serve tal recorte nessa série de textos?
Ora, pela obviedade da questão de que somente ideologias totalitaristas em Estados cada vez mais onipresentes e onipotentes podem conceber e implantar determinados meios macabros para atingir um fim que, para eles, é justificável!

É um tanto deprimente perceber como, entre os pretensamente “esclarecidos”, “professores”, “jornalistas” e “articulistas”, o pensamento de esquerda é obrigatória unanimidade. Uma simples menção favorável à ‘direita’ ou o mais leve sinal de recusa a conteúdos sinistros, mesmo quando acompanhados de argumentos, atraem reações padronizadas: ‘nazista’, ‘fascista’, ‘reacionário’. É quando a boca se presta a obedecer automatismos de programação inculcada no cérebro em tempos imemoriais, na escola, na mídia. o sujeito que pronuncia os impropérios não se dá conta do despropósito de chamar de seguidor de Hitler ou Mussolini, ou retrógrado, quem quer que denuncie a imposição estatal sobre a liberdade individual, ou reclame do domínio de mentes e corações por uma ideologia monocromática, cega para a singularidade e para as nuances. Diante de alguém único, ideologia de esquerda sempre mandará exclamar: antes de ser humano,você é pobre, ou mulher, ou negro, ou gay, e deve servir aos interesses da luta de classes, do feminismo, da ação afirmativa, do politicamente correto e em favor ao multiculturalismo.

Satisfeito por ‘pertencer’, quem recebe esse mandato se refestela na agradável sensação de conforto e legitimidade que o grupo confere, servindo-lhe como simulacro de família e causa ao mesmo tempo. Não é nem necessário estar filiado a um partido de esquerda: de fato, a pressão mais eficaz é a distraída, impensada, fiel a regras quase indefinidas. É assim que o corpo do militante inconsciente reverbera a reação aprendida com sincera indignação, o que deixa o outro ainda mais confuso. A repetição das palavras – nazista, fascista, reacionário – só condensa no espírito do alvo a óbvia conclusão: superou-se o regime totalitário explícito, que usa violência física (ainda que ainda presente), pelo regime totalitário implícito, que é violento por meio da programação mental (novilíngua). Nesse estado de coisas, cada cidadão se torna o vigia e cruel verdugo do outro, tal como imaginado por Orwell. Facilmente manejável, a multidão é uma força imbatível contra o indivíduo, que pode recuar por puro mecanismo de autossobrevivência emocional. Por isso também que todo esquerdista desdenha a o esforço individual, seja no ímpeto de vencer na vida, seja no ímpeto de denunciar a farsa marxista: para o esquerdista, toda luta é somente a luta de causa na qual grupos devem se unir e se manifestar na rua, é inconcebível para o militante que o esforço pessoal seja, ele só, um ato de denúncia, manifestação e de desafio.

Diante do debate político ora em curso, é necessário se definir o que vem a ser “direita” e “esquerda”. A esquerda pode ser definida como aquele modelo do espectro político em que há pouca ou nenhuma liberdade pessoal e econômica, em que o Estado ou partido ganha uma dimensão transcendente, agindo para estender seu domínio sobre todas as esferas da sociedade. Por outro lado, a direita privilegia a liberdade pessoal e econômica, e a garantia dos direitos individuais, sendo os limites o respeito à vida, à propriedade e à liberdade dos demais.2  Tais termos ganharam este significado após o começo da Guerra Fria.

No Brasil, convencionou-se tratar como “direita” o regime militar, que tomou o poder no Brasil entre 1964-1985, e como “esquerda” os grupos que se opuseram às forças armadas e almejavam um regime socialista. Curiosamente, tanto os militares como a esquerda compartilhavam o autoritarismo e o desenvolvimentismo intervencionista. Mas, se a direita assume como absoluta a valorização do indivíduo, como este sistema pode se degenerar em autoritarismo ou totalitarismo? Há exemplos históricos de regimes autoritários ou totalitários que afirmaram a liberdade individual? Na verdade, não. Antes, foram regimes esquerdistas que almejaram controlar (Gleichschaltung) firmemente todas as esferas da sociedade (família, artes, esportes, igreja, economia e imprensa), a partir da noção da transcendência do Estado/Partido.3

A sugestão ou afirmação de que o nazismo, o fascismo e as ditaduras militares da América Latina das décadas de 1960-1980 representam a “direita” é baseada numa contradição entre definição conceitual e realidade histórica.5  O fato é que os ditadores mais cruéis da história do século XX foram esquerdistas: Lênin e Stalin (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), Adolf Hitler (Alemanha) e Walter Ulbricht (Alemanha Oriental), Nicolae Ceauşescu (Romênia), Pol-Pot (Cambodja), Mao Tsé-Tung (China) e Hồ Chí Minh (Vietnã). Cuba, Coreia do Norte e Venezuela são hoje estados-modelos de esquerdismo.6

Nestes debates, a esquerda nunca é comparada à direita. A armadilha do discurso da esquerda é comparar uma ideia “perfeita” com a realidade, como se isso fosse prova da superioridade esquerdista. Porém, a honestidade intelectual exige que se compare o socialismo real com o capitalismo real. Nesse caso, fica escancarada a inferioridade da esquerda. Pois, como escreve Denis Rosenfield, a comparação “deveria ser entre a Alemanha [Ocidental] capitalista e a [Alemanha Oriental] socialista, ou ainda, entre a Coreia [do Sul] capitalista e a [Coreia do Norte] socialista”, mas a comparação é filtrada por uma “mentalidade religiosa”, “teológico-política”, onde se compara a direita real “com a ideia do socialismo, forjada por aqueles que lhe atribuem todas as perfeições”.

Isto é equivalente a comparar uma sociedade perfeita a uma imperfeita, ou ainda, a comparar o homem a Deus. É claro que o homem, com suas imperfeições, sairá sempre perdendo quando comparado a Deus. O mesmo destino teria a comparação entre uma sociedade perfeita (ideal) e uma imperfeita (real). (…) Ou seja, atribui-se ao socialismo todas as perfeições e, de posse destes atributos, passa-se a verificar se eles ‘existem’ no capitalismo.7

Wolfhart Pannenberg lembra que devemos ter em mente que o “anticristo se manifesta (…) particularmente em doutrinas intramundanas [utópicas] de redenção e salvação, às quais as pessoas das sociedades modernas estão expostas”. Na escatologia das utopias intramundanas “explicitaram-se, pois, as consequências do aproveitamento funcionalista dos indivíduos (…), particularmente no caso do marxismo pelo fato de a felicidade dos agora vivos ser sacrificada sem escrúpulos em nome do pretenso alvo da humanidade”, em que “apenas os indivíduos da geração então vivente poderiam participar” deste “milênio secularizado”. E o contraste entre esta utopia e a esperança ensinada pela fé cristã é claramente estabelecido:

Em toda escatologia intramundana [como o marxismo] a consumação (supostamente) geral tem de ser buscada e afirmada à custa dos indivíduos [em que ‘os indivíduos de gerações passadas’ não ‘participarão da concretização futura de sua destinação’]. Essa é a estrutura anticristã da escatologia intramundana. Em contrapartida, a escatologia cristã preserva o vínculo indissolúvel de destinação individual e geral da humanidade. Através da glorificação dos indivíduos de mãos dadas com a glorificação do Pai e do Filho por eles, se concretizará o reino de Deus e será não apenas consumada, mas também aceita em geral a justificação de Deus perante os sofrimentos do mundo.8

Então, diferente do que se apregoa, partidos de esquerda e extrema-esquerda não são de orientação democrática. Suas propostas são inspiradas na ideia do Estado coercitivo, julgador e punidor. Não reconhecem a dinâmica de equilíbrio dos segmentos da sociedade e das instituições republicanas. Por pensarem desse modo, facilmente são corrompidos pela ideia de que são os “donos da verdade” e únicos porta-vozes da justiça.9

Aliás, a degeneração institucional, a perseguição a jornalistas e o uso de violência e prisões arbitrárias para tentar sufocar os protestos por democracia na Venezuela torna o silêncio de setores da imprensa e do governo esquerdista brasileiro indigno e cúmplice.10  O incrível é que só na América Latina esta devoção ao esquerdismo sobrevive. As nações latino-americanas tornaram-se, de fato, a vanguarda do atraso.

Ainda que a divisão entre direita e esquerda tenha se tornado lugar comum no debate político no Pós-Guerra e Guerra Fria, só sobrevivem hoje na cultura norte-americana com mais ou menos consistência ideológica. E deve-se lembrar de que o sistema bipartidário dos Estados Unidos foi uma criação dos Pais Fundadores, para que o sistema bloqueasse qualquer radicalismo político. Hoje o sistema entrou “em curto” nos Estados Unidos, especialmente porque Deus, que era importante no pensamento político dos Pais Fundadores, foi melancolicamente afastado para a esfera privada por dirigentes dos partidos Republicano e Democrata.11

Parece que na cultura europeia e brasileira talvez faça mais sentido falar em termos de “liberal” e “antiliberal”.12  A partir de tal paradigma, pode-se perceber que há incrustada no país uma mentalidade antiliberal, entre as elites (coronéis, famílias, conglomerados) e governo (qualquer que seja), que se caracteriza por protecionismo, economia dirigida e centralizada, ódio feroz às privatizações e ao mercado, alta taxa de impostos, pacto a favor do estado e contra as liberdades fundamentais do povo/indivíduos – conceitos associados, tradicionalmente, à esquerda. É importante notar que todos os governos a partir da proclamação da república no Brasil foram antiliberais e populistas – uma marca da política de toda a América Latina. Isso se aplica especialmente a Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, Getúlio Vargas, o regime militar, Fernando Collor, Lula e Dilma Rousseff.13

Essa mentalidade antiliberal também se revela na estrutura estatal. O estado brasileiro interfere e intervém em todas as esferas da sociedade (família, artes, esportes, igreja, economia e imprensa). Porém, tudo o que o estado faz é tradicionalmente marcado por ineficiência, incompetência e corrupção. E, num caso de dissonância cognitiva, “ongueiros” profissionais, políticos e “ativistas” ligados a partidos de esquerda e extrema-esquerda como PT, PSOL e PSTU dizem que o país precisa de mais Estado.

Por outro lado, o liberalismo preconiza que se precisa de menos Estado, e que este seja enxuto e eficaz; a redução da interferência do Estado na economia ao mínimo necessário; a defesa da propriedade privada; a privatização das empresas estatais e de serviços públicos que possam ser oferecidos pela iniciativa privada; o livre mercado; e a redução das despesas do governo com a consequente redução da carga tributária. Assim como afirma o respeito ao Império da Lei e às liberdades individuais; à iniciativa privada; às diversas esferas que compõem a sociedade; e o fomento às estruturas mediadoras (intermediate bodies). Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Austrália, Nova Zelândia, Japão e Coreia do Sul, entre outros, são guiados por ideais liberais em maior ou menor grau – e o resultado está à vista de todos.14

Diante dessas considerações, é interessante identificar quais os motivos da tendência esquerdista entre os jovens. Estes parecem pertencer à classe alta ou média alta, estudam em universidades estaduais ou federais e recebem bolsas governamentais para (não raro) estudar no exterior. Para eles, os proletários, por viverem para o trabalho, não têm consciência de seu estado de escravidão. E são os membros desta nova classe de “homens novos” que poderão não somente iluminar, mas guiar as massas na luta contra a opressão.

O mundo passa a ser interpretado a partir de uma “nova moral”, que opõe estes que almejam a “construção de um mundo melhor” contra a mentalidade rígida da sociedade. Portanto, o mundo é dividido em opressores e oprimidos, onde todos os bons são oprimidos, todos os que discordam são opressores, e estes devem ser cooptados, silenciados ou eliminados. A complexidade social é reduzida a uma luta entre o bem e o mal, uma luta entre o povo e as elites. Não raro, os trabalhadores são tratados como “massa alienada” por não os apoiar, rotulados como gente que “não quer mudar” e que não enxerga “a luta por mudança”. Curiosamente, durante a Guerra Fria, na Polônia e na Alemanha Oriental, estes idealistas eram chamados pelo proletariado, com cinismo, de “burgueses vermelhos”. A mesma repulsa já se evidencia aqui no Brasil, especialmente por parte das camadas mais baixas da sociedade.15

Urge estudar as conexões de Black Blocs (mascarados vestidos de preto e armados com bombas, coquetéis molotov, pedras e paus) com partidos da esquerda e extrema-esquerda, como o PSOL.16 Quem financia e orienta os Black Blocs? Quem lhes presta assessoria jurídica? O modus operandi desta milícia é velho, antiquado, nada diferente das forças de choque fascistas (Itália, 1920), nazistas (Alemanha, 1930) e esquerdistas (Alemanha, 1970-1998) presentes na história da Europa no século XX.17 Também há similaridades com o procedimento de vários grupos de guerrilha no Brasil durante a ditadura, tais como a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares).18 Os Black Blocs fazem ressurgir a violência em manifestações nas ruas justamente em um momento de ascensão de um discurso de intolerância e ódio em relação às principais instituições que dão sentido a uma democracia, vista por estes como um sistema burguês tirânico.19

Não apareceu nas páginas destes grupos ou partidos uma “nota de condolências” ou uma referência à morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes.20 Os que escreveram nas páginas do grupo sugeriam que a tragédia foi um erro “das empresas de comunicação” ou culpa do Estado. Ou rebateram com a lembrança de “tudo que a Polícia Militar já fez”, como um exemplo de “contraviolência”. Nisso também lembram os antigos guerrilheiros, que justificavam suas ações violentas com o termo “represália”.21 Assim sendo, os partidos que apoiam os Black Blocs não têm lastro moral para criticar os “justiceiros” do bairro do Flamengo-RJ.22 Ora, em um país sob uma carta constitucional, a lei não vale para todos, igualmente?23

Deste modo, parece que a violência dos Black Blocs só serve ao governo federal do PT, pois, além de jamais ostentar cartazes ou gritar palavras de ordem contra a falência da saúde e da educação, esvazia as manifestações legítimas com sua violência. Do “milhão”, as passeatas recuaram para os milhares e, finalmente, as centenas, como nas últimas ocasiões.

Espantam-me cada vez mais os rumos da esquerda brasileira. Em vez de aproveitar a oportunidade de sua passagem pelo poder e pôr em prática os ideais de educação, conscientização e espírito de coletividade e trabalho (marcas registradas das promessas socialistas), eles preferem disseminar entre os jovens um espírito de revolta, ignorância e demagogia. Como nota Demétrio Magnoli, “há algo de profundamente errado com um país incapaz de enxergar a face do mal, quando ela se esconde atrás da máscara de uma ideologia”.24

Alguns destes jovens associados à esquerda se identificam como cristãos, mas possuem mais conexão com grupos paraeclesiásticos do que com igrejas locais. Estes cristãos que militam em partidos e grupos de esquerda e extrema-esquerda se autodenominam no Brasil de “cristãos progressistas”. Curiosa – e reveladoramente – os católicos poloneses que apoiavam os nazistas, antes da II Guerra, e os comunistas, no Pós-Guerra, também se chamavam de “cristãos progressistas”.

O que parece é que a ausência do “totalmente outro” (totaliter aliter) leva pessoas a adotar uma ideologia que almeja transcendência, e que supostamente as auxilia a superar as contradições de uma sociedade existencialmente opressiva, satisfazendo a “preocupação suprema” de suas vidas, o sonho de um “outro mundo possível”, a “realização da utopia”.25 Como responder a este anseio por algo além e acima da criação, que todas as pessoas almejam? Como satisfazer tal desejo, levando pessoas da idolatria à “transcendência desviada”, isto é, ao ente estatal e a ideologia, para o culto ao Deus todo-poderoso, o “totalmente outro”?

A mentalidade esquerdista antiliberal é binária: “nós” e “eles”, os “bons” e os “maus”, os revolucionários e os reacionários, a esquerda e a direita. Esquerdistas não conseguem pensar em termos de gradações.26Então, se alguém os critica, este deve ser, forçosamente, de “direita”. E acaba-se o debate, pois o esquerdista, para equalizar o confronto, começará a falar dos problemas da suposta direita no Brasil – como se houvesse de fato uma direita organizada e partidos políticos liberais no país. E, de forma típica, em vez de colocar argumento contra argumento, o esquerdista usará o discurso da vitimização ou do constrangimento moral/espiritual para se evadir das profundas contradições de seu sistema. Ou apelará para a difamação pura e simples.

Só que “o marxismo”, como escreveu Richard Sturz, “não passa de uma heresia ao cristianismo. Em vez de abolir a religião, o marxismo tornou-se uma religião secular. Seus ensinos são apresentados como substitutos para as doutrinas cristãs”.27 Esta elevação transcendental da ideologia e a incapacidade de autocrítica revela na esquerda uma lealdade idolátrica.

Há os que adotam o marxismo como verdade e procuram misturá-los à doses de versículos bíblicos, forjando para si uma rede de mentiras auto-enganatória, convencendo-se de serem cristão marxistas, ou justificando seu esquerdismo com a falsa imagem de um Jesus meio-hippie, meio-comunista – às vezes até meio-black-block! Mas os cristãos não dividem sua lealdade com um Estado/partido/governo que requer fidelidade religiosa, pois os cristãos sabem que tal lealdade é idolatria, uma quebra do primeiro mandamento.28  Portanto, os cristãos têm a liberdade – que mesmo os melhores entre os incrédulos não têm – de criticar qualquer sistema político, qualquer ideologia, pois eles o fazem a partir da crença de que somente o Senhor Deus tem o direito de comandar todas as esferas da sociedade. Nenhum governo ou partido recebeu este direito. E os cristãos também creem que governos e partidos que anseiam ser totais deixam de ser a “autoridade ordenada por Deus” (Rm 13.1-7),29  para se tornar “uma besta” que recebeu “seu trono e grande autoridade” do dragão (Ap 13.1-18). E diante desta, a resposta cristã é: “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5.29).

Portanto, o autoritarismo e o totalitarismo precisam ser resistidos por todos os meios legítimos. E, para tanto, precisamos perguntar: “Se o cristão crê que Deus é o único rei e senhor absoluto, ele pode entregar sua lealdade ao partido ou ao Estado autoritário ou totalitário?”. A resposta é: “Não”! É incompatível alguém declarar que adora a Deus como o Senhor que fala apenas por meio de sua Palavra e tornar-se servil a um Estado. Isso implica que quem se submete a tal Estado coloca-se numa posição contrária à Escritura, tornando-se meramente “o lacaio sagrado do governo”.30

Geralmente – mas não exclusivamente – são teólogos liberais que apoiam o esquerdismo. E estes são os que descartam as Escrituras Sagradas como a única Palavra de Deus que se deve ouvir, e também diminuem a glória e majestade de Deus, como ocorre no teísmo aberto e nas teologias da libertação. Para estes, “a alternativa é crer em um deus que tem o nome, mas não as qualidades do Deus revelado nas Escrituras, e não passa de uma simples capitulação ao marxismo”.31 Mesmo o ser humano é estranho à esquerda – não há interesse no destino da pessoa real e concreta, mas apenas na emancipação da classe proletária, oprimida e alienada.32

Há um esforço consciente de cooptar o que for necessário para dar respeitabilidade a esta tentativa de fundir o esquerdismo com uma revisão da fé cristã. O legado de Dietrich Bonhoeffer é um exemplo desta associação a serviço do marxismo. Cita-se como apoio a uma interpretação esquerdista de Bonhoeffer seu exemplo de resistência ao nazismo e algumas frases de sua correspondência, Resistência e submissão. Mas não há preocupação de colocar o mártir alemão em contexto.33  Como um teólogo alistado no serviço de inteligência militar (Abwehr), amigo de militares nacionalistas que ansiavam por uma paz em separado com a Inglaterra e os Estados Unidos para, aliados a estes, atacarem a União Soviética, pode ser usado como inspiração para uma aproximação entre cristãos e esquerdistas, ou como precursor da teologia da libertação?

Em um apêndice de sua tese de doutorado, escrita em 1927, Bonhoeffer tratou da questão da igreja e do proletariado.34  Ele afirmou a necessidade da igreja evangélica alemã pregar o evangelho ao proletariado, que vivia em miséria e isolamento. E isso se daria quando a igreja parasse de se dirigir apenas à burguesia, que usufruía segurança, relações familiares ordenadas e relativa cultura; se a igreja não anunciasse o evangelho ao proletariado, este seria seduzido pelos socialistas. Para o teólogo alemão, o que estava em jogo era a exclusividade do evangelho, Deus em juízo e graça. Como ele conclui, o evangelho não pode ser confundido com o socialismo, e não será por meio desta ideologia que o Reino de Deus virá à terra. Este será consumado somente por meio do evangelho.

Portanto, o objetivo dos esquerdistas é adequar uma revisão da fé cristã a uma ideologia que lhe é completamente oposta. Por isso o ódio teológico (odium theologicum) que os teólogos liberais têm pela fé reformada. Pois, na verdade, as doutrinas da autoridade da Escritura, é a verdadeira motivação de revoluções políticas de longo alcance, como as revoluções inglesa e americana, nos séculos XVII e XVIII.

Diante dos fatos, há os que apelam para o argumento emocional de que uma postura antiesquerdista é “insensível”, “descaridosa” e “alienada”. Não custa lembrar: cristãos fazem “o bem a todos”, e “principalmente aos domésticos da fé” (Gl 6.7-10), constrangidos por amor e lealdade a Jesus Cristo; não terceirizam seu amor, entregando-o ao arbítrio do Estado. Em Atos 2.41-47, passagem tão ao gosto desta mentalidade, os primeiros cristãos repartem o que possuem não constrangidos pelo Estado ou pelo imperador – mas o fazem livremente por amor ao Senhor Deus e ao próximo.

Helmuth James Graf von Moltke foi preso em janeiro de 1944 por fazer parte da resistência alemã contra o Partido Nacional Socialista. Levado ao tribunal, ele travou o seguinte diálogo com o juiz-algoz, pouco antes de sua morte, em 23 de janeiro de 1945:

No decorrer de seus discursos, [o juiz Roland] Freisler me disse: ‘O Nacional Socialismo assemelha-se ao cristianismo em apenas um aspecto: nós exigimos a totalidade do homem’. Não sei se os outros que estavam sentados ali puderam compreender o que foi dito, pois esse foi o tipo de diálogo travado entre Freisler e eu – um diálogo subentendido, visto que não tive a chance de dizer muita coisa – um diálogo por meio do qual passamos a conhecer um ao outro totalmente. Freisler era o único do grupo que me entendia completamente, e o único que percebia por que deveria me matar… No meu caso, tudo era determinado da forma mais severa. ‘De quem você recebe ordens, do outro mundo ou de Adolf Hitler? Onde você deposita sua lealdade e sua fé’?

Tal pergunta também não está ligada à luta entre a lealdade à esquerda (assim como a qualquer outra posição do espectro político) e a exclusiva adoração ao Deus-Trindade, o único e verdadeiro soberano e rei?

A  frase decisiva no processo foi: ‘Herr Conde, o cristianismo e nós, nacional socialistas, temos apenas uma coisa em comum; uma única coisa: nós reivindicamos a totalidade do homem’. Eu gostaria de saber se ele realmente compreendia o que havia dito ali. (…)

Mantive minha posição (…) não como um protestante, não como um proprietário de terras, não como um nobre, não como um prussiano, nem mesmo como um alemão… Nada disso, mantive minha posição como um cristão e nada mais… 35

Na década que antecedeu a ascensão do nazismo, tudo se politizou na vida alemã. Na mesma medida tudo se prostituiu. No Brasil, língua, consciência, segurança e moralidade se esfarelam a olhos vistos, com a mesma rapidez do que se passou na Alemanha. Tudo se politiza e se prostitui, e os próprios politizadores, agentes da dissolução, são os primeiros a denunciá-la como obra dos ‘inimigos’, de modo que todos os rancores acabem desaguando na esperança insana do unanimismo vingador. Tudo, nessa atmosfera, lembra a Alemanha pré-nazista. Tudo, exceto uma coisa: os sinais de consciência disso estão ausentes na literatura, nas artes, no jornalismo. Não parece haver, entre nossos romancistas, contistas, cineastas e cronistas um único que, nadando a contracorrente da loucura, seja capaz de captá-la e descrevê-la. Nossas letras não fazem senão repetir os lugares-comuns do discurso político vigente, engrossando, pela redundância obsessiva e pela retórica da indignação estereotipada, o clado da revolução em marcha.

O motivo da diferença é óbvio. A cultura da Alemanha tinha toda uma tradição apolítica, toda uma nobre linguagem de escritores e sábios que souberam compreender o horror da politização, aqui compreendida como o culto ao Estado, consciente ou não. Nessa hora, foram os apolíticos que souberam fazer política superior, aquela política que serve à inteligência e à moralidade, em vez de servir-se delas.

No Brasil, ao contrário, a política, tradicionalmente, domina tudo. Já era assim no tempo do Império e se tornou pior com o advento da influencia marxista que, não querendo “compreender o mundo, mas transformá-lo”, consegue apenas transformá-lo num inferno incompreensível. Por isso nossos intelectuais, em vez de dar um testemunho da loucura dos tempos, não fazem senão alimentá-la com sua própria loucura!

_____________________________
1Santo Agostinho, Comentário aos Salmos, 39,1 (São Paulo: Paulus, 1997), p. 635-636.
2
Para esta conceituação e bibliografia, cf. Franklin Ferreira, Curso Vida Nova de teologia básica: Teologia sistemática (São Paulo: Edições Vida Nova, 2013), p. 210-212. Neste livro també  m estabelece-se uma diferenciação entre a posição fundamentalista evangélica de rejeição do espaço público e o desenvolvimento de uma compreensão reformada, que entende Deus como o senhor absoluto de toda a realidade (p. 212-218).
3
Para o significado de autoritarismo, cf. Norberto Bobbio; Nicola Matteucci; Gianfranco Paquino, Dicionário de política (Brasília: UnB, 1986), p. 94-104. Para uma conceituação de totalitarismo, exemplificado na Alemanha nazista e na União Soviética comunista, cf. Hannah Arendt, Origens do totalitarismo (São Paulo: Companhia das Letras, 1989), p. 339-531.
4Publicado na revista Ultimato, nº 346. Para uma análise deste texto, cf. Jonas Madureira, Tolerância: a atitude própria de toda alma robusta, http://www.teologiabrasileira.com.br/teologiadet.asp?codigo=366.
5Rotular o Partido Nacional-Socialista Alemão (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiters Partei) como “extrema direita” é somente a repetição de um cliché comum que, admito, é muito popular, mas não se coaduna com a realidade. Os líderes do Partido Nazista se viam como legítimos socialistas, desprezando a aristocracia, o livre mercado, o capitalismo e a democracia liberal, abolindo a liberdade de imprensa, praticando a censura e apregoando uma teoria política com suposta fundamentação científica. E a sociedade alemã foi organizada pelos nazistas sob o efeito coercitivo da “camaradagem” como forma de grupamento social, onde “pensar, sentir e agir em categorias de condução de vida individual e de responsabilidade pessoal estava dissociado do ditame de uma moral que somente permitia o que estava a serviço” da sociedade. O alvo do ditador era a “construção do Estado social do povo”, um “Estado social” exemplar, no qual “as barreiras (sociais) seriam progressivamente derrubadas”. Entre 1925 e 1929 os comunistas estalinistas ajudaram as forças armadas alemãs a se rearmarem – o que era proibido pelo Tratado de Versalhes –, e o treinamento da força aérea e das forças blindadas alemãs se deu em território soviético. Em 1934 havia moedas nazistas cunhadas com a foice e o martelo (basta uma procura no Google Imagens, por “Tag Der Arbeit”). E, no começo da Segunda Guerra, nazistas e comunistas tinham um pacto de não-agressão. Inclusive, duas semanas após a invasão alemã da Polônia, os soviéticos a invadiram, pois a partilha daquele país era parte do pacto de não agressão teuto-soviético. No conjunto, os dois totalitarismos foram responsáveis por alguns dos maiores genocídios da história, como o Holocausto judeu (Shoah) efetuado pelos nazistas, e o genocídio ucraniano (Holodomor), perpetrado por Stalin. Portanto, em última instância, tanto o comunismo como o nazismo são socialismos, sendo o primeiro um socialismo de classe e internacional, e o segundo um socialismo étnico e nacionalista. E só houve guerra entre os dois totalitarismos porque a extrema-esquerda tem caráter autofágico, multiplicando as dissensões internas quando as externas arrefecem – como ocorreu com Stalin, por exemplo, que com medo de traição mandou matar cerca de um milhão de líderes do partido e do alto comando das forças armadas no Grande Expurgo, entre 1934-1940. Curiosamente, na atualidade, o neonazismo ressurge nas cidades da antiga Alemanha Oriental comunista. Para uma introdução a esta classificação do nazismo e comunismo, cf. Alain Besançon, A infelicidade do século (São Paulo: Bertrand Brasil, 2000). Cf. também Sönke Neitzel e Harald Welzer, Soldados: sobre lutar, matar e morrer (São Paulo: Companhia das Letras, 2014), p. 41-45, 49-81.
6Chega-se a uma cifra de 85 a 100 milhões de mortos por comunistas no século XX. Cf. Stephanie Courtois (org.), O livro negro do comunismo (Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999). Aos nazistas são atribuídos cerca de 20 milhões de mortos.
7Denis Lerrer Rosenfield, “O embuste ideológico”, em O Globo: http://oglobo.globo.com/opiniao/o-embuste-ideologico-11167368. Agradeço a Rodrigo Majewski, professor do Instituto Bíblico Esperança, em Porto Alegre-RS, por me chamar a atenção a este ponto.
8Wolfhart Pannenberg, Teologia Sistemática. vol. 3 (Santo André: Academia Cristã & São Paulo: Paulus, 2009), p. 767, 828.
9Ainda assim, deve-se tomar cuidado em não se cair no dualismo esquerdista (ver tópico IV abaixo) e supor que não há inteligência e/ou honestidade na centro-esquerda. Parafraseando Rodrigo Constantino, reconheço na socialdemocracia uma esquerda legítima, da qual se pode discordar com respeito e abertura ao diálogo. Mas, curiosamente, quando na presidência da república brasileira, esta socialdemocracia foi rotulada de “conservadora”, “direitista” e “neoliberal” por partidos de esquerda e extrema-esquerda.
10Em 6 de março de 2014 quatro ex-presidentes da América Latina condenaram a repressão na Venezuela: http://brasil.elpais.com/brasil/2014/03/06/internacional/1394125471_182731.html. Os autores da declaração conjunta foram Fernando Henrique Cardoso, Oscar Arias Sánches, Ricardo Lagos e Alejandro Toledo. Cf. o depoimento de Renato Vargens, “Relato daquilo que eu vi na Venezuela de Nicolás Maduro”, em http://renatovargens.blogspot.com.br/2014/04/coisas-que-eu-vi-na-venezuela.html.
11Ainda que a fé de quase todos os Pais Fundadores fosse deísta, a crença na divindade desempenhava papel vital na interpretação da Declaração de Independência e, especialmente, da Constituição dos Estados Unidos. Cf. David Holmes, The Faiths of the Founding Fathers (New York, NY: Oxford University Press, 2006). Outra razão para a crise do bipartidarismo seria a ingerência política do FED sobre os partidos políticos dos Estados Unidos.
12Sobre essa conceituação, cf. a entrevista no programa “Painel”, da Globo News, com Luiz Felipe Pondé, Reinaldo Azevedo e Bolívar Lamounier, sob a mediação de William Waack: http://www.youtube.com/watch?v=lwEUK8_E60k.
13De acordo com Marco Antônio Villa, há no Brasil “uma tradição antidemocrática solidamente enraizada e que nasceu com o positivismo, no final do Império. O desprezo pela democracia foi um espectro que rondou o nosso país durante cem anos de república. Tanto os setores conservadores como os chamados progressistas transformaram a democracia em um obstáculo à solução dos grandes problemas nacionais, especialmente nos momentos de crise política”. “Ditadura à brasileira”, Folha de São Paulo Opinião, 5 de março de 2009, em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0503200908.htm. Cf. também Nelson Paes Leme, “Os donos do poder”, em http://oglobo.globo.com/opiniao/os-donos-do-poder-12305436.
14Segundo o Democracy index 2012 produzido pela revista The Economist, o Brasil está em 44º no ranking da democracia, com as seguintes avaliações: geral: 7.12; processo eleitoral e pluralidade: 9.58; governança: 7.50; participação política: 5.00; cultura política: 4.38; liberdades civis: 9.12. Os países ranqueados até o 25º lugar são considerados “democracias completas”; do 26º até o 79º, “democracias falhas”; do 80º até o 116º, “regimes híbridos”; do 117º até o 167º, “regimes autoritários”. A Venezuela está em 95º, como um regime híbrido, com avaliação geral de 5.15 e Cuba está em 127º, um regime autoritário com avaliação geral em 3.52. Deve-se destacar que desde 2006 tanto as avaliações do Brasil como da Venezuela caíram. Cf. Democracy index 2012: Democracy at a standstill – A report from The Economist Intelligence Unit, em: http://pages.eiu.com/rs/eiu2/images/Democracy-Index-2012.pdf.
15um exemplo sintomático: “Sininho”, a jovem ativista do grupo dos Black Blocs, foi insultada na rua como “patricinha hipócrita” por passageiros de ônibus. Cf. http://oglobo.globo.com/rio/sininho-chamada-de-patricinha-hipocrita-ao-deixar-delegacia-11573691.
16O PSOL é um partido de extrema-esquerda, que tem entre seus fundadores um terrorista italiano (Achille Lollo) e que lutou para dar asilo a outro terrorista italiano (Cesare Battisti).
17Para aludir à famosa frase de Karl Marx em O 18 brumário de Luís Bonaparte, “a história se repete, primeiro como tragédia, depois como farsa”, recomendo o filme O Grupo Baader Meinhof (2008), que conta a história do grupo de extrema-esquerda Fração do Exército Vermelho (RAF).
18O ex-militante de esquerda Augusto de Franco comentou que havia a tática de provocar a polícia para obter respostas violentas e, assim, desacreditar as instituições responsáveis pela ordem. Cf. http://globotv.globo.com/globo-news/entre-aspas/v/entre-aspas-discute-a-atuacao-dos-black-blocs-na-morte-do-cinegrafista-santiago-andrade/3147060.
19Cf. Merval Pereira, “O futuro da democracia”, em O Globo: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?blogadmin=true&cod_post=526563&ch=n: “Segundo a Freedom House, um centro de estudos nos Estados Unidos dedicado à análise da liberdade no mundo, 2013 foi o oitavo ano seguido em que a liberdade global declinou”.
20Como jornalistas da TV Globo atribuíram a morte do cinegrafista inicialmente à Policia Militar, Alon Feuerwerker considerou 7 de fevereiro de 2014 como “o dia em que a TV russa salvou o jornalismo brasileiro”, por causa das imagens da agência de notícias russa Ruptly, que foram fundamentais para descobrir que o artefato que vitimou Santiago Andrade foi lançado por Black Blocs.
21
VAR-Palmares chegou a planejar a execução (ou, em linguagem revolucionária, “justiçamento”) de militares. Cf. http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,var-palmares-planejou-execucao-de-militares,705934,0.htm?p=1. Ex-militantes, como Fernando Gabeira, confessam que os programas de seus grupos realmente incluíam a “ditadura do proletariado” no Brasil. Cf. http://www.youtube.com/watch?v=8VtXhnxWHC0. Cf. também Marco Antonio Villa, sobre o conturbado período da ditadura: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,golpe-a-brasileira,1131917,0.htm.
22f. http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/02/1407239-adolescente-e-agredido-a-pauladas-e-acorrentado-nu-a-poste-na-zona-sul-do-rio.shtml.
23Tal procedimento ilustra um uso ideologicamente contaminado dos direitos humanos. Cf. Ruy Fabiano, “Direitos humanos seletivos”, O Globo, http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2014/02/15/direitos-humanos-seletivos-524517.asp.
24Demétrio Magnoli, “Causa mortis”, O Globo, http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2014/02/13/causa-mortis-524204.asp.
25Outro elemento que vale a pena ser destacado é a culpa difusa que esses jovens de família abastada provavelmente sentem pela desigualdade, uma culpa que recebe nome e solução nas ideologias de esquerda. Cf. Norma Braga Venâncio em A mente de Cristo: conversão e cosmovisão cristã (São Paulo: Vida Nova, 2012), p. 179-181.
26Cf. John M. Ellis, em Literature Lost (New Haven & Londres: Yale University Press, 1997), que analisou o fenômeno chamado por ele de “lógica do tudo-ou-nada” (all or nothing logic) no campo das ciências literárias nas universidades americanas, tomadas pelo pensamento de esquerda.
27Richard J. Sturz, “O marxismo e a fé cristã”, em Colin Brown, Filosofia e fé cristã (São Paulo: Vida Nova, 2007), p. 274.
28Karl Barth, “O primeiro mandamento como axioma teológico”, em Walter Altmann (org.), Karl Barth: Dádiva & louvor; artigos selecionados (São Leopoldo: IEPG & Sinodal, 1996), p. 127-139.
29 Para a teologia anti-imperial de Paulo, cf. N. T. Wright, Paulo: novas perspectivas (São Paulo: Loyola 2009), p. 83-106.
30Cf. Eberhard Busch, “Igreja e política na tradição reformada”, em: Donald McKim (ed.), Grandes temas da tradição reformada, p. 160-175. A questão de fundo aqui é a legitimidade do Estado. A comunidade cristã honra o Estado quando este é legítimo, inclusive servindo-o, mas resiste-o quando se torna não-legítimo. Para tal, é necessário distinguir entre ordem e arbítrio, democracia e tirania, liberdade e anarquia, etc. Cf. Karl Barth, “Comunidade cristã e comunidade civil”, p. 289-315.
31Richard J. Sturz, “O marxismo e a fé cristã”, p. 277.
32Richard J. Sturz, “O marxismo e a fé cristã”, p. 268-271.
33Isso ocorre tipicamente nos cursos de graduação em teologia, ao tratar de teologia contemporânea; ensinam-se alguns temas da teologia de Barth e Bonhoeffer, por exemplo, mas há pouco ou nenhum esforço de inseri-los no contexto intelectual, político ou social da Europa ocidental das décadas de 1910 a 1940. Cf. especialmente Dean G. Stroud (ed.), Preaching in Hitler’s Shadow: Sermons of Resistance in the Third Reich (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2013), p. 3-48.
34Dietrich Bonhoeffer, Sociologia de la Iglesia: Sanctorum Communio (Salamanca: Ediciones Sígueme, 1969), p. 248-251. Para um exemplo de resistência ao totalitarismo cubano, baseado em Bonhoeffer, cf. a história do pastor batista Mario Felix Lleonart Barroso, autor do blog cubanoconfesante.com, em “Cuba Case Study: Bonhoeffer-Inspired Pastor Arrested After Blogs, Tweets, and D.C. Trip”: http://www.christianitytoday.com/gleanings/2014/january/cuba-case-study-pastor-mario-lleonart-arrested-csw.html.
35Cf. Michael Haykin, Palavras de amor (São José dos Campos: Fiel, 2011), p. 139-140. Este trecho é de uma carta escrita da prisão de Tegel para sua esposa, Freya, em 11 de janeiro de 1945. Moltke era luterano, e membro do Círculo de Kreisau, de resistência não violenta ao nazismo, mas foi executado na prisão de Plötzensee, em Berlim, na esteira do fracasso da Operação Valquíria.

Carvalho, Olavo. O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota. Record, 2013.
Venâncio, Norma Braga. A Mente de Cristo, Conversão e Cosmovisão Cristã. Vida Nova, 2012
Extraído e adaptado de: http://www.teologiabrasileira.com.br/teologiadet.asp?codigo=381
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: